Início > Jornalismo > De dar inveja a Murdoch

De dar inveja a Murdoch

Olha como funciona a imprensa no Brasil (e foco no Brasil porque é o objeto em questão, mas não é excluisividade nossa):

Um jornalista, funcionário de uma revista que, apesar de antiética e mentirosa, é a que mais vende no Brasil, invade a privacidade de um político e de um monte de outras pessoas que não têm nada a ver com a história. No caso, trata-se de ação que atenta não apenas contra a ética, mas contra a lei.

Como fruto de sua ação ilegal, descobre que este político recebe outros políticos em seu quarto de hotel. Ao contrário do que fez a revista, nada ilegal. Tampouco antiético.

Em seguida, ela publica a grande descoberta como uma grande denúncia. Não fica muito claro o que está sendo denunciado, mas como o tom é grave todo o mundo acredita que o político fez coisa muito feia.

O escândalo vem à tona, e as maracutaias pra conseguir a informação são descobertas e provadas.

Aí, ao contrário do que aconteceu eu outro dos países que têm uma imprensa tão podre quanto a nossa, os seus pares (concorrentes, diga-se) iniciam uma operação de abafa. A ponto de acontecer o que pode ser lido neste link da Zero Hora. O jornal gaúcho tenta explicar o que ele chama de “Caso Dirceu”. E faz isso sem mencionar a invasão ao quarto de hotel do ex-ministro José Dirceu pelo repórter Gustavo Nogueira Ribeiro, da revista Veja. Torna-se, pois, cúmplice, se não da perspectiva legal, ao menos da perspectiva moral.

O jornal cita a revista para lembrar que Dirceu atuou no mensalão, teve seus direitos políticos cassados e responde a processo, quase como que justificando o que fez o repórter, mais ou menos como um “ladrão que rouba ladrão”… O jornal mantém o tom de denúncia, mas o conteúdo permanece vazio. A denúncia de nada ilegal, de nada antiético, sequer a afirmação da capa (de que Dirceu conspira contra o governo) se consegue provar. Não vai além de suposições furadas, como mostra Conceição Lemes no Viomundo. O que se vê é um jornalismo covarde e mau-caráter, que não só pratica como protege a prática de atitudes antiéticas.

Aí fica até engraçado. A revista usa meios ilegais para tentar forçar uma acusação fraca de nada consistente pra enfraquecer o governo. Critica nos outros ações que incluem mau-caratismo e atitudes criminosas nos outros mas, no fim das contas, só ela pratica. E o resto da imprensa finge não ver. Murdoch adoraria.

Anúncios
  1. alfs o probo
    30/08/2011 às 23:04

    viva o zé dirceu, então! Viva o lula, viva o mensalão!

    • Otto
      31/08/2011 às 0:44

      Este aí é um dos hererônimos do RA.

  2. Demilson Fortes
    31/08/2011 às 13:38

    Pois é Cris, como tu podes conferir, a revista Veja continua a mesma no que refere à ideologia de direita, mas está disposta a ir além disso, quebrando princípios básicos de ética e respeito às leis. Este episódio coloca a revista Veja no nível dos aparatos das ditaduras, que usam de todos os meios para alcançar os seus objetivos. A revista Veja investiga ilegalmente, processo e julga, se considera acima da lei, de tudo e de todos.

    Defendo que qualquer veículo de comunicação deve ter o direito de fazer livremente seu trabalho, isso é bom para a democracia. Entretanto, o que se faz no país pela Veja é uma ação agressiva, ideológica e antidemocrática, e até com tentações fascistas. Com isso não podemos concordar. Ainda teremos comunicação democrática e livre no Brasil, a cidadania vai construir isso, e os tempos da Veja golpista ficarão nas páginas da história do que não deve ser uma comunicação decente e ética.

  3. Milton Roberto freitas
    31/08/2011 às 22:25

    Apenas lembrando que o governo de SP compra mais de 150 mil exemplares da Veja para distribuir gratuitamente.
    Tudo com grana do contribuinte,folha não é revista é panfleto do PSDB

  4. Milton Roberto freitas
    31/08/2011 às 22:26

    Apenas lembrando que o governo de SP compra mais de 150 mil exemplares da Veja para distribuir gratuitamente.
    Tudo com grana do contribuinte,Veja não é revista é panfleto do PSDB

  5. Claudio Calmo
    02/09/2011 às 15:16

    Cris, os monopóios de mídia, tanto no Brasil como aqui no RGS, não foram enfrentados nos seus interesses financeiros. A Globo, Veja, Época, Folha e Estadão continuam sugando um naco muito grande das verbas públicas de publicidade. No RGS a “PRBS”, bate…bate…bate….mas leva tudo para seu cofre. A verba de mídia do Estado continua centralizada nos monopólios, e nada para os outros segmentos de comunicação. O programa de governo Tarso, tem bem claro, que teriamos a distribuição isonômica dos recursos publicos. Infelizmente nada é assim, os governos ditos de “esqueda” despejam recursos nos monópolios, e estes atentam contra a liberdade e a democracia. Infelizmente o discurso e a prática politica não andam de “mãos dadas”.

  6. Cleberson Silva
    03/09/2011 às 21:07

    Divulgaram fotos do sistema de câmeras das partes públicas de um hotel. Isso é espionagem? Claro que não.

    Convenhamos, essas pessoas que andam negociando as escondidas com o sujeito que 2 Procuradores-Gerais da República (indicados pelo partido dele!) consideraram como chefe da quadrilha que cometeu o maior crime contra as instituições democráticas desse país podem ser tudo, menos honestas, bem intencionadas e dignas de confiança.

    • Ismael
      06/09/2011 às 10:21

      Está desinformado ou “esquecendo” detalhes?

      O sujeito tentou enganar a funcionária de limpeza do hotel para invadir o quarto.

      O tucanato sempre dando novas definições ao termo “memória seletiva”.

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: