Início > Comunicação, Ilustração > O plágio do chargista

O plágio do chargista

Não é de hoje que critico o chargista Marco Aurélio por seus desenhos machistas, reacionários, homofóbicos, racistas… E que não entendo por que permanece na página 3 da Zero Hora – não que o jornal não siga o mesmo perfil, mas simplesmente porque Marco Aurélio não consegue fazer humor. Nem pra quem é machista, reacionário, homofóbico, racista… Ele é simplesmente sem graça. Pois agora, por alerta do Kayser, Santiago denuncia:

“O colega Kayser me envia uma página da Revista do Crea de março, onde aparece um desenho do Marco Aurélio igualzinho a um cartum que fiz em 1985 e que ganhou o Salão de Piracicaba e o concurso do jornal Yomiuri Shimbun, em Tóquio (1992). Além disso está no meu livro “Ninguém é de Ferro” de 1993 e que teve tiragem de 5.000 exemplares. Portanto fica até feio um profissional da área não tê-lo visto. Minha exigência nesses casos é que, pelo menos, o desenhista refaça melhor que o original, o que parece não ter sido o caso!!!!!”

O original

“Igualzito ao meu”, diz Santiago

E convenhamos, o original é infinitamente melhor, até para uma leiga em arte, com olhar de leitora. Além de mais bem desenhado, o que é talento, tem uma construção mais complexa e completa, que faz muito mais sentido na cena. A ponto de um ser engraçado e outro, surpresa!, não ser.

Anúncios
  1. 14/06/2011 às 15:23

    Esse cara é muito ruim. Acho que até já tinha dito isso aqui, em outro post…

  2. 14/06/2011 às 16:59

    Não acho que seja plágio. O Santiago — que é melhor chargista do que Marco Aurélio, apesar de ser reaça igual — não tem o monopólio da fábula da lebre e tartaruga.

  3. santiago
    15/06/2011 às 12:13

    Maia
    me compara em qualquer coisa com o MA, menos em idéias políticas!!!!
    Cruz credo!!!!
    Santiago

  4. 17/06/2011 às 11:56

    Chamei Santiago de reaça porque o Millor Fernandes tem razão, certa esquerda brasileira é de direita. Santiago foi contra — veja só — a um projeto muito legal que iria sair em Porto Alegre, dando a cidade e ao seu povo, qualidade de vida, integrando o lago à cidade, que era o pontal do estaleiro, projeto esse que foi negado pelo voto de 1,8% do povo portoalegrense, tendo em vista consulta popular realizada pelo desastroso Fogaça. Perdemos ali uma oportunidade única por vontade de uma minoria participativa reaça.

    • 17/06/2011 às 20:39

      “projeto esse que foi negado pelo voto de 1,8% do povo portoalegrense”

      Se a maioria dos portoalegrenses era favorável, por que não foi votar? ;)

      • Cleberson Silva
        20/06/2011 às 1:35

        Porque a maioria nunca é organizada. Diferente das minorias, que costumam ser organizadas e barulhentas.
        O resultado não podia ser outro: quem era a favor do pontal ficou em casa, ou foi aproveitar o domingo do jeito que lhe pareceu mais conveniente. Quem era contra, compareceu em peso para votar.

        • 25/06/2011 às 11:17

          Se eram tão a favor, teriam ido votar, fato.

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: