Início > Sociedade > Um caos não tão caótico

Um caos não tão caótico

Salgado Filho, Galeão, Santos Dumont e Congonhas. Passei por estes quatro aeroportos no fim de semana, sexta e domingo. Foram três trechos no total, de Porto Alegre ao Rio e com escala em São Paulo na volta. Todos saíram no horário e chegaram sem atraso ao destino, sem contratempos. Não precisei sair correndo pelo aeroporto, embora o portão de embarque tenha mudado uma vez – mas com antecedência. Os voos estavam cheios, o último trecho praticamente lotado, mas isso não significa que algo esteja necessariamente errado.

Não estou dizendo que a situação dos aeroportos esteja resolvida e que não haja nada errado. Não digo que não estejamos perto de alcançar os limites dos nossos aeroportos. Afinal, temos cada vez mais gente tendo acesso ao antes restrito clube dos que viajam de avião.

Os voos estão cheios? Estão. Falta conforto nos aeroportos e nos aviões? Aham.

Mas, definitivamente, a situação não é a descrita na Zero Hora (disponível para assinantes) deste domingo.

Não é possível que eu tenha vivido, em todos os trechos que fiz nestes últimos dias, situações de exceção e que a regra seja o caos. Não vi gente desesperada correndo pelos aeroportos ou amontoada em cantos.

Detalhe: era Dia das Mães. Saí de casa com bastante antecedência achando que mal conseguiria andar dentro do aeroporto, que tropeçaria nas malas e nas pessoas e que ficaria horas esperando o voo sair – atrasado. Nada disso aconteceu, embora tenha enfrentado algumas filas e já tenha sentido outras vezes a falta de conforto das poltronas.

Claro que os jornais têm que alertar para um problema que está se agravando. O grande problema é a forma de fazê-lo. E o critério adotado para isso. Por que diabos não se fala na falta de conforto nas rodoviárias? Embora eu faça parte do grupo que vem se acostumando a andar de avião de vez em quando nos últimos tempos, ao longo da minha vida andei muito mais de ônibus. E toda vez que eu ia pra Caxias – uma vez por mês, na infância, na casa dos avós – ou pra praia – lá de vez em quando -, saía de casa já triste pelo ritual desagradável que sabia que encontraria. Primeiro, dois ônibus pra ir pra rodoviária, ou um gasto sentido com táxi. Depois, fila para comprar passagem, um tempão esperando, normalmente de pé ou, às vezes, sentada em um desconfortável banco de madeira sem encosto. Na volta, filas enormes esperando táxi. Pelo que me consta, a rodoviária continua igual. E saturada há muito tempo – quantas vezes não ouvi falar em construir outra?

Às vezes até saíam algumas matérias. Mas nunca ouvi falar em “caos terrestre”.

Qual, afinal, o critério? A camada mais rica da população agora se vê obrigada a dividir um espaço que antes era só seu. Aí a falta de conforto vira notícia. Que noticiem, acho ótimo que todos tenhamos direito a viajar com conforto. Mas peço, por gentileza, honestidade e isonomia na forma de tratar as questões.

Anúncios
  1. 09/05/2011 às 22:36

    “Por que diabos não se fala na falta de conforto nos aeroportos?”

    Como na sequência o assunto é “ônibus”, acredito que no lugar de “aeroportos” deveria estar “rodoviárias”… :P

    De resto, ótimo post, e vem muito a calhar quando a “grande mídia” só fala de “caos aéreo”. ;)

    • 09/05/2011 às 22:56

      Perfeito. Corrigido.
      Valeu, Rodrigo =)

  2. José Renato Moura
    10/05/2011 às 12:35

    Cris, gostei muito desta postagem. Vou tomar a liberdade reproduzir no meu blog. Continue assim.

  3. ninoprestes
    10/05/2011 às 19:51

    Grande post!!!

  4. ninoprestes
    10/05/2011 às 19:54

    Nunca tive problemas com atraso de voos. E tenho certa rodagem aérea. A exceção virou regra para os jornais.

  5. 10/05/2011 às 21:02

    Hoje fiz POA-SP-POA.
    É vergonhosa sim a situação dos aeroportos brasileiros. Falta espaço (é tudo apertado), falta conforto, falta tudo. É muito bom que a inclusão social esteja inserindo mais e mais brasileiros nos aeroportos e nos aviões. TEmos todos de comemorar isso. A questão é que se compararmos os aeroportos brasileiros com os americanos (de qualquer cidadezinha titiquinha americana) o serviço é um verdadeiro caos. Por que nos EUA os aeroportos são grandes, espaçosos e tudo funciona muito bem? Por que aqui não é assim?

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: