Início > Política > Político tem que ter perfil político!

Político tem que ter perfil político!

Nestas eleições surgiu a discussão sobre o melhor perfil para mandantes em cargos públicos. A imprensa passou a exaltar perfis “técnicos”, em oposição ao “político”, que trariam uma suposta maior qualificação para tratar de qualquer tema. Esta preferência vai desde cargos específicos, como secretarias, até o presidente da República – e Dilma, apesar de não ser a preferida, era enquadrada nessa definição. Foi para criticar o governo Tarso que a imprensa gaúcho fez questão de dizer que o secretariado escolhido por ele era muito político.

Pois defendo enfaticamente que o governante, na esfera que for, tem que ter perfil político.

Convenhamos, para chefiar um governo, uma secretaria, o cara tem que entender do assunto e saber articular para que as políticas avancem da melhor forma. O técnico tem que pôr em prática, oferecer soluções. O político gerencia, faz acontecer, transita entre os setores ligados à área.

É evidente que é preciso ter trânsito dentro da atividade à qual é indicado, não pode ter caído de para-quedas no tema tratado. O cara que fica na Secretaria da Saúde tem que saber a importância de qualificar os serviços na área, dialogar com médicos, hospitais privados, hospitais públicos, postos de saúde, enfermeiros, o doente do interior que está longe do hospital, toda a população. Mas ele não precisa saber transplantar um rim para fazer a coisa acontecer. Não precisa sequer ser médico. No cargo, ele não vai transplantar, ele vai fazer política em prol da Saúde. Ele tem que entender disso. Escolher um cara que transplanta rins mas não tem capacidade de diálogo e visão estratégica é deflagrar o caos.

Vide a Secretaria de Educação do governo Yeda, com sua escolha “técnica”: escolas fechadas, uma infinidade de alunos nas mesmas salas de aula, professores mal-tratados (com salários baixos e cacetetes)…

Um presidente, por exemplo. Tem que ter a capacidade de lidar com as pressões de todos os lados, dialogar com quem não tem o que comer e com quem janta caviar, jogar com a estrutura de forças políticas do país. Tem que entender do metiê, obviamente, mas tem que ir muito além. Tem que ter visão estratégica.

Um técnico pode, sim, ser um bom político. Mas o fundamental para administrar um município, estado ou país é saber atuar politicamente, independente de sua qualidade técnica.

O discurso de defesa de cargos técnicos serve para afastar da política os trabalhadores organizados, o grosso da população, que mais precisa de políticas públicas e que menos tem instrução, por falta de oportunidade. É um discurso de manutenção, de conservadorismo. Ou de quem não entende patavinas de política.

Anúncios
  1. 29/11/2010 às 21:11

    “O discurso de defesa de cargos técnicos serve para afastar da política os trabalhadores organizado.”
    É por aí, liderança e articulação na condução de políticas PÚBLICAS.

  2. 30/11/2010 às 17:39

    Cris,

    Político não é gestor se não tiver formação para tal. Pode ser um bom líder, um bom articulador, um bom comunicador e deve estar afinado com as políticas definidas pela ideologia em vigor.

    Todavia, precisa ter formação adequada.

    Eu não penso assim por causa do PIG mas, sim, porque na UFRGS as coisas não acontecem e na UNISINOS, acontecem.

    Cansei de ter aulas e de ser colega de professores sem vontade de dar aula ou que eram injustos com os alunos na Fabico e ficava por isso, mesmo. Na Unisinos, se fizer isso, tá ferrado.

    Participo de um projeto de Comunicação Cidadã. O cargo técnico não é técnico e o cargo político não é político: as coisas não andam. Minha oficina de internet não tem internet!!!

    É por isso que, mesmo sendo de esquerda, não sou partidário e sou muito mais libertário do que democrata. A democracia é vertical, hierarquizada demais. Todos deveriam ser responsáveis pelas suas decisões e todos deveriam compartilhar o conhecimento dando o seu melhor, sem precisar de chefes, mas apenas de motivadores e de líderes.

    O sistema não é feito para ensinar as pessoas a serem responsáveis e a serem livres mas, sim, para serem todos passivos e obedientes, seja à esquerda, seja à direita.

    Besos,
    Hélio

  1. 29/11/2010 às 18:26

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: