Início > Cidades, Política, Sociedade > Os descaminhos de uma cidade maravilhosa

Os descaminhos de uma cidade maravilhosa

Essa tragédia no Rio de Janeiro parece de mentira. É gente demais sofrendo muito com as consequências de uma coisa que o Brasil sempre achou que não tinha: catástrofe. A história era sempre a mesma, o país era fudido, mas pelo menos não tinha terremoto, furacão. Nossos problemas eram políticos, administrativos e portanto solucionáveis, embora nunca tivéssemos tido uma prova disso. Mas em teoria eram. Catástrofes eram inevitáveis, não tinha o que fazer.

Agora, nossos problemas estão se invertendo. Se por um lado estamos longe de resolver nossos problemas mais humanos, lá em Brasília ou em cada estado, cada cidade, já melhoramos bastante, pelo menos olhando para o Brasil com toda a sua potencialidade, invertendo prioridades, um pouco que seja. Enquanto isso, chegavam enchentes, furacões, secas, ventos, mas principalmente enchentes mesmo.

Essa não é a primeira. A informação corre rápido demais hoje em dia. Notícias de ontem já embrulharam peixe ontem ainda. Mas lembrem-se. Aconteceu em Santa Catarina, em São Paulo, no Nordeste, no Rio Grande do Sul. O Brasil inteiro vem sofrendo.

Mas isso tudo não é tão inevitável assim. O Rio de Janeiro prova que boa parte das consequências é fruto do descaso. Se não podemos evitar a chuva (e ainda aí há controvérsias, porque o clima vem mudando também pela ação do homem, mas isso vai ser discutido em outro post), podemos impedir a ocupação de morros, podemos fazer coleta de lixo, tirar as pessoas de áreas de risco, dar condições dignas de moradia, de vida (recomendo a leitura desse texto).

Não é nada estratosférico. Na verdade, não é nada além da obrigação do estado. É o mínimo que se pode fazer, que se deve fazer. E que deveria ter sido feito, há muito tempo.

Essa catástrofe escancara o desleixo do governo carioca e do fluminense, mas em quantos outros lugares as pessoas estão sendo tratadas do mesmo jeito? Muitas são simplesmente ignoradas, mas outras são tratadas como bicho, o que é pior. A chuva vem do céu, mas a catástrofe é provocada por aqui mesmo.

É preciso que as pessoas enxerguem que não é porque o governo não tem dinheiro (aliás, pra onde vão os tão chorados royalties do petróleo?) que não faz nada. É falta de interesse, é porque tem outras prioridades. É porque pobre não merece atenção. Afirmo isso enfaticamente porque sei que é muito mais barato prevenir, tratar o problema antes que aconteça.

Só falta querer.

———–

P.S.: E esse aí, de braços abertos, fez o quê? Não vi, mas há boatos de que agora esteja com os braços cruzados.

  1. 13/04/2010 às 18:36

    Tu chegou a ler a matéria da Carta dessa semana a respeito?

  2. 13/04/2010 às 21:47

    Li hoje. Te digo que no meio estava meio decepcionada, porque ficou contando histórias de desabrigados. Achei meio lugar comum. Depois comecei a gostar pacas. A análise de cidade que eles fazem é muito boa.

    Modéstia a parte, me lembrou um pouco do que ando escrevendo sobre planejamento urbano, do alto da minha ignorância. Comecei a postar ontem e deve ter mais uns dois posts na sequência essa semana…

    O que mais chama a atenção, e que eu também tinha destacado em um texto que ainda não postei, é a falta de planejamento. Essa coisa de fazer tudo de forma emergencial. As cidades – e me baseei em Porto Alegre, mas serve para todas as grandes – têm que ser pensadas, planejadas. Senão não funciona. O Rio não tá funcionando…

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: